ROBOTIC ENGLISH TRANSLATION



* * * PENSAMENTO DO MÊS * * *


Tudo o que é belo morre no Homem, mas não na Arte.

Leonardo da Vinci


* * * FRASES MUSICAIS AO ACASO * * *


La Musique avant tout.

Paul Verlaine


* * * Para ver correctamente todas as postagens deste BLOG,
é conveniente instalar previamente no seu PC
os tipos de fontes musicais MusiQwik * * *


IR DIRECTO AOS COMENTÁRIOS DESTE POST.

terça-feira, junho 20, 2006

David e a Música


No passado dia 16 de Junho, completaram-se dez anos sobre a morte de David Mourão-Ferreira. A Música foi uma constante na sua Vida e na sua Poesia. Relembremos a sua


Ode À Música

I

É como se tivesses mãos ou garras
milhões de dedos braços infinitos
É como se tivesses também asas
libertas do minério dos sentidos
É como se nos píncaros pairasses
quando nas nossas veias é que vives
É como se te abrisses – ó terraço
rodeado de abutres e raízes –
sobre o perene pânico dos astros
sobre a constante insónia dos abismos
E é como se te abrisses e fechasses
sobre a antepalavra do Espírito
É como se morresses quando nasces
É como se nascesses quando expiras

II

Ó claridade Ó vaga Ó luz Ó vento
que no sangue desvendas labirintos
Ó varanda no mar sempre Setembro
Ó dourada manhã sempre Domingo
Ó sereia nas dunas irrompendo
com as dunas e o mar se confundindo
Ó corpo de desperta adolescente
já no centro de incógnitos caminhos
que por fora te aceitas e por dentro
pões em dúvida o sol do teu fascínio
Ó dúvida que avanças mas por entre
volutas de pavor que vais cingindo
Ó altas labaredas Ó incêndio
Ó Musa a renascer das próprias cinzas

III

Só tu a cada instante nos declaras
que renegas a voz de quem divide
Que a única verdade é haver almas
terrível impostura haver países
Que tanto tens das aves o desgarre
como o expectante frémito do tigre
tanto o céu indiviso que há nas águas
quanto o múltiplo fogo que há no trigo
Que és igual e diversa em toda a parte
Que és do próprio Universo o que o sublima
Que nasces que te apagas que renasces
em procura da límpida medida
Que reges o mais puro e o mais alto
do que Deus concedeu às nossas vidas



Estátua de David Mourão-Ferreira no Parque dos Poetas em Oeiras



A música de Zbignew Preisner - Lux Aeterna / Love

* * *

Este Post também é dedicado a mais alguém: a minha querida médica Dr.ª Lídia, que se encontra gravemente doente.

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Bom poema! Mas este decapitado em Oeiras , qual Zarqwawi, é que não! Louvavel homenagem.

20/6/06 9:50 da tarde  
Blogger Aspásia said...

De facto a cabeça não ficou das mais felizes, também estive para escolher outra imagem... enfim, ainda assim há pior...

Boa noite para si.

21/6/06 1:22 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it video editing schools

17/3/07 7:57 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home